quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Quarto de despejo: diário de uma favelada - Carolina Maria de Jesus


Olá amigos leitores,esse livro deveria ter sido lido nas férias, mas não rolou, meu tempo ficou restrito a contemplação da natureza e banhos em cachoeiras. Difícil né?!

Editora: Abril Educação 
Lançamento: 1960
Edição: 2013
Páginas: 200

Ao "viajar" pela leitura desta obra que foi um marco na escrita feminina no Brasil, fiquei horas tentando verbalizar o motivo de eu ter gostado tanto deste livro que tem sua linguagem própria e foge dos estilos de diários que já li. 
Talvez seja por ter enxergado um pouco da minha história, talvez por também sentir que a vida não deveria ser assim. 
A fome que Carolina passou me atormentou um pouco, imaginar que tudo o que está escrito neste livro aconteceu, e que o desejo de comprar um sapato para sua filha era sempre impedido pela necessidade de comer. Me fez repensar minhas prioridades. 
A ideia de ouvi-lá falando para seus filhos "que hoje nós não vamos comer" me martirizou. 
A favela do Canindé ficava localizada as margens do rio Tietê, em São Paulo, ela foi substituída pela Marginal do Tietê que hoje conhecemos e usamos. 
O retrato da favela e a luta pela sobrevivência, ganhou composição feita pelo compositor B. Lobo, autor da famosa marchinha de Carnaval "abre alas", escreveu a letra de um samba que tem o mesmo título do livro, "Quarto de despejo". A história também foi adaptada para o teatro por Edy Lima, onde Carolina foi interpretada pela atriz Ruth de Souza. Na televisão, a história da autora virou Caso Verdade, programa exibido em 1983 pela Rede Globo. 
Fora do Brasil sua história também ganhou adaptações, na Alemanha o filme Despertar de um sonho, foi inspirado na história de Carolina. Em 2003, o diretor Jéferson De realizou o documentário de curta-metragem Carolina. 
O que podemos tirar deste livro é que a vida pode ser diferente, nem sempre as escolhas fácies é a única opção que teremos. Carolina buscou nos livros uma saída, seu interesse pela leitura transformou a vida de uma favelada em escritora. 
Ela lia tudo que passava na sua frente e escrevia o seu dia a dia com reflexões que só uma pessoa que vive à margem da sociedade poderia falar. 

Beijo Grande! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante para nós. Deixe um recadinho! Beijos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...