sábado, 8 de agosto de 2015

O IMAGINÁRIO COTIDIANO - Moacyr Scliar



Esse é o meu 17º livro lido esse ano.
Para quem já viu meu relatório final de semestre sabe o que achei deste livro. Mas levanto aqui uma ressalva, este post demorou por que relutei muito em escrever, vamos assim dizer, mal deste livro, em respeito ao autor, que já me agradou com outras obras.  
Como esse post demorou para sair, fiz um post explicando como vai funcionar as resenhas agora. 
<<<< Acesse aqui >>>>..
Metas atualizadas.  <<<< Aqui >>>. 



Autor: Moacyr Scliar
Editora: Gente
Páginas: 181
Ano: 2006
1. Crônicas brasileiras

O escritor gaúcho Moacyr Scliar foi colaborador do caderno Cotidiano do jornal Folha de S. Paulo no período de 1993 a 2011, ano em que faleceu. Ali, na coluna Cotidiano Imaginário, publicou crônicas de ficção com ideias extraídas de uma notícia já veiculada pelo referido meio de comunicação. Scliar selecionava fatos cotidianos, menos relevantes, para compor um novo texto (este, ficcional) marcado por ironias e críticas sociais.
Na introdução do livro O Imaginário Cotidiano, uma coletânea de suas crônicas publicadas na Folha de S. Paulo, Moacyr Scliar comenta sobre a difícil tarefa de transformar o real em ficção. Acostumado a extrair o material de suas obras da própria mente, o escritor gaúcho confessa que se sentiu um tanto embaraçado quando recebeu o convite do jornal para escrever textos ficcionais baseados em notícias cotidianas. Após lançar-se à proposta, no entanto, se conscientizou das múltiplas possibilidades da tarefa:

“Atrás de muitas notícias esconde-se uma história pedindo para ser contada. É a história virtual que complementa ou amplia a história real (se é que sabemos exatamente o que é uma história real). A partir daí eu tinha uma nova fonte de inspiração – e de prazer” (SCLIAR) [1]

A sensação que o livro passa é que o autor teve muito trabalho para conseguir elaborar essas crônicas, e que nem sempre ele foi feliz ao escrever.  Essa foi a impressão que tive ao ler esse livro, que o site da USP fala tão bem. 
Não foi um livro todo ruim, mas 60% dele não me agradou, não me encantou, as crônicas são muito simplistas, nenhuma delas proporcionou um sorriso largo ou reflexão significativa ao lê-la.
Mas com muito esforço da para listar umas cinco que me fizeram esboçar pelo menos um sorriso tímido ou uma breve reflexão. São eles "Nada como a instrução", "Toda nudez será castigada", "O ursinho, não", "Roteiro turístico" e o "O gigantesco objeto do desejo".


Beijo Grande!

________________________________
¹http://www.usp.br/cje/jorwiki/exibir.php?id_texto=32

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante para nós. Deixe um recadinho! Beijos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...