quarta-feira, 2 de julho de 2014

A Arte de Escrever Bem

Sabe quando o seu pai te dá um conselho mas que entra num ouvido e sai pelo outro? Pois bem, este post pode ser um destes conselhos que tem cara de ser “mais um” na sua vida, ou pode ser aquele dado por um amigão do peito que pode mudar a sua vida. Depende como você encara. Bom nada mais justo que dar umas dicas para todos sobre como escrever melhor.

Nunca foi fácil escrever, acho que nunca será. Meu professor de Literatura fala: - Machado de Assis não nasceu sabendo escrever. Aliás, ele demorou mais de 20 para escrever  bem. Ai chega um piá, que nem saiu das fraldas diz: - olha ai professor meu conto, escrevo muito bem né? (hum...)


Você verá logo abaixo, no resumo do artigo A Arte de Escrever, que o cérebro também precisa se exercitar para transformar simples palavras em arte. Escrever chega ser mais um exercício de transpiração do que inspiração. Desejo a você toda disposição e coragem para  exercitar a escrita a qual muitas vezes pode ser comparada à duras batalhas. (Isso mesmo, muitas vezes você sentirá que é guerra!).

TENHA UM PLANO
Para começar o trabalho é preciso os dados, os objetivos e os planos sem perder o foco o leitor. A frase inicial precisa ser atraente; o escritor sugere que o conteúdo da introdução seja  o mais mais importante e siga o texto dando ao leitor um desfecho atraente no final.


O MENOR É O MELHOR
         Frases curtas contribuem para a clareza do texto bem como dividir frases longas e dois períodos diferentes. Pode-se isolar a frase com ponto e quando possível, retirar os gerúndios desnecessários. Persiga frases enxutas. 

SEJA POSITIVO
Outra dica é evitar frases negativas, ou seja  substituir “ele não acredita” por  “ele duvida”.           

VOZ ATIVA, CERTO?
A melhor opção é utilizar a voz ativa e ao pensar quais palavras ou adjetivos usar, prefira aquelas que transmitem mais vigor ao texto.

ADJETIVO, SÓ SE MELHORAR O SUBSTATIVO
O adjetivo deve ser capaz de especificar melhor o substantivo, torná-lo mais específico. Se usá-lo, substitua locução adjetiva por adjetivo; exemplo: pessoa sem educação, por pessoa mal-educada.

ESQUEÇA AS PLAVRAS-ÔNIBUS
Há verbos chamados de “genéricos” que podem ser substituídos, no texto é chamado de palavras-ônibus, ou seja, verbos que não são precisos “fazer, por, dizer, ter e ver. Também temos o caso do verbo acontecer (Acontece no Maracanã a final da Copa). Segundo o autor, a melhor forma de utilizar este verbo quando precisamos explicar algo que sucede de repente, “Hoje pela manhã, aconteceu uma acidente na rodovia”.


SAIA DO ABSTRATO E VÁ PARA O CONCRETO
Entre palavras concretas e abstratas prefira as concretas. Entretanto, se precisar utilizar números, que são abstratos, tente fazer comparações; por exemplo “um prêmio de 42 milhões é equivalente a 176.923 salários mínimos de R$260”. Os pronomes na maioria das vezes podem se evitados na frase para ter mais clareza.

ECONOMIZE
Muito importante é ser conciso, evitar palavras a mais. Dispense colocar o substantivo dia, mês antes dos números. Troque oração adjetiva por nome. “Pessoa que se alimenta de frutas e verduras” é uma pessoa vegetariana. Corte que é, que foi, que era…as vezes o texto fica cheio de “queismos”. Se puder reduza as orações; “agora que expliquei o título, passo a escrever o livro” por “ explicado o título, passo a escrever o livro”.

DIGA TUDO EM UMA PALAVRA
Seguindo o sentido de reduzir  evite também as frases adjetivas como “trabalho de natureza temporária”  por “trabalho temporário” Além disso, substitua locução verbal + substantivo pelo verbo; “fazer uma viagem” por, simplemente “viajar”.

HARMONIZE
A harmonia é essencial para o texto. Para isso, o curto vem na frente. A saber, “O Congresso Nacional votará na próxima semana em regime de urgência urgentíssima o projeto” para “O Congresso Nacional votará na próxima semana em regime de urgência urgentíssima”. É uma questão de ordem. 

PARE
Cuidado com as rimas, cacofonias e com as repetições sofisticadas. Entretanto não transforme em preocupação obsessiva o receio de repetir palavras. Se usou as palavras hospital e estabelicimento no texto, use um deles novamente se precisar, mas nunca nosocômio.

A ORDEM ALTERA OS FATORES
Busque a Clareza. Não só se entenda bem, mas de forma que tenha uma única interpretação.  “Haverá um seminários sobre Aids na Câmara dos Deputados” tem outro sentido do que “Haverá, na Câmara dos Deputados, um seminário sobre Aids”.

Nas declarações curtas a identificação do autor deve ser feita no começo ou no fim da fala.  Pode ser: “toda questão tem dois lados”, disse Pitágoras; ou Pitágoras escreveu: “toda questão tem dois lados”.

CUIDADO, VERBOS DECLARATIVOS!
Preste atenção no verbo declarativo ele pode mudar o sentido da citação. Opção (1)Não mandei dinheiro para a Suiça, disse Maluf; (2) Não mandei dinheiro para a Suiça, insistiu Maluf. (3)Não mandei dinheiro para a Suiça, mentiu Maluf. Cuidado!






Fonte:
SQUARISI, Dad & SALVADOR, Arlete. "O Texto Jornalístico. A Arte de Escrever Bem: um guia para jornalistas e profissionais do texto. 5.ed. São Paulo:  Contexto, 2008, págs. 21-52.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é muito importante para nós. Deixe um recadinho! Beijos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...